Design


DESIGN

Na categoria Design contemplam-se as seguintes subcategorias:

Identidade Visual e Aplicações (entre as quais papéis, marca, folder e cartaz), Mobiliário Urbano, Design de Exposição, Projeto Editorial, Webdesign e Design de Produto.

Uma das formas de definir a linguagem do Design significa ter e desenvolver um plano, um projeto, significa designar. É trabalhar com a intenção, com o cenário futuro, executando a concepção e o planejamento daquilo que virá a existir. Criar, desenvolver, implantar um projeto – o design – significa pesquisar e trabalhar com referências culturais e estéticas, com o conceito da proposta. É lidar com a forma, com o feitio, com a configuração, a elaboração, o desenvolvimento e o acompanhamento do projeto.¹

Desde a edição de 2006 a categoria Design recebeu aproximadamente 103 inscrições, e no ano de 2018 premiou um vencedor e conferiu três menções honrosas.

Com uma singular comissão julgadora, as obras da última edição foram analisadas e julgadas por especialistas de dentro e fora da USP, altamente qualificados como a professora Dra. Clice Toledo de Sanjar Mazilli, Professora Dra. Cristiane Aun Bertoldi, ambas do departamento de Design da FAU USP bem como o especialista externo, o professor Dr. Bruno Pompeu Marques Filho.

Classificados, os finalistas tiveram o reconhecimento de apresentar suas obras em lugares notáveis e de muito significado para a USP e a cidade de São Paulo como o Centro Universitário Maria Antonia (2018) e o MAC USP (2017), no Ibirapuera.

Exposição de Design no Centro Universitário Maria Antonia – Nascente USP 2013 – 21ª edição

A cerimônia de premiação Nascente USP 2018 aconteceu em novembro, no dia 30, no Auditório István Jancsón, no campus da USP capital. O concurso premia apenas os primeiros colocados em cada categoria. O valor do prêmio é de R$ 4 mil, sendo dividido entre os trabalhos ganhadores.

Em 2018 o trabalho da subcategoria Design de Exposição foi o único vencedor da categoria Design| 26º Nascente USP. Os alunos Ciro Fico Vieira da Rocha e Horrana Porfirio Soares são da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – FAU, do curso de Design. Além do trabalho premiado houve três menções honrosas – Gina, Revista D ZINE, Revista Estima- pelo destaque das produções artísticas.

Exposição Visualidade Nascente USP – Design 2018 no Centro Universitário Maria Antonia

Em 2018 o concurso recebeu numa primeira etapa 17 trabalhos inscritos na categoria Design, dos quais somente 4 foram finalistas. A obra Ensino na FAU: por quem, para quem? foi premiada na categoria Design | 26º Nascente USP.

Trabalho Premiado

“Ensino no design: por quem, para quem?” é a intervenção visual resultante de uma atividade colaborativa desenvolvida durante a greve de 2018, cujo objetivo foi de refletir a respeito de racismo, machismo e colonização no ensino do curso de design, tendo como plano de fundo a categorização das obras contidas nas bibliografias deste, e fomentando momentos de aprofundamento da discussão entre os colaboradores.

O trabalho vencedor de 2018 mostrou a concentração eurocêntrica e racial da produção científica do Design bem como sua contribuição para as bases curriculares do curso do Design

Num país com 54,9% da população negra e 51,6% de mulheres, termos uma bibliografia analisada com 95,3% dos autores brancos (e 4,7% amarelos), apenas 18,1% de mulheres, e em que todos as obras estrangeiras foram publicadas no Norte Global, torna visível o abismo na representatividade nos autores de nossas bibliografias, refletindo a colonização do nosso pensamento e as barreiras de acesso de determinados corpos na academia.

Na intervenção, linhas vermelhas se conectam aos países de publicação e formas coloridas com os nomes dos autores. A legenda informa que as formas representam o gênero do autor e a cor, sua raça –  incomoda o fato das raças preta e parda, contidas na legenda, não estarem representadas na intervenção. Um manifesto que consta com ilustração e parte da história de Emory Douglas, designer e membro do Partido dos Panteras Negras, acompanha a intervenção contando um pouco do processo e os dados obtidos.

Transpor essa crítica para uma intervenção visual no espaço em que ela se localiza foi essencial para chegarmos num resultado em que a crueza dos números foi humanizada através de símbolos e subjetividades ali postos, com todo o cuidado para não estancar a discussão. Tornando-se, assim, um convite para enfrentarmos essa discussão enquanto coletivo.

[Texto fornecido pelo ganhador]

¹MOURA, Mônica. Faces do Design. 1. ed. São Paulo: Edições Rosari, 2003. 118 p.

Depoimento de Robson Tomoki, vencedor do Nascente USP 2013 – categoria Design

Confira os finalistas e premiados da categoria Design da edição 2018 do Nascente USP