Boas Vindas!

A edição 2019 do Nascente USP, a ser realizada pela Pró-Reitoria de Cultura e Extensão, visa dar continuidade a uma vontade implantada na Universidade  de São Paulo desde 1991, pelo então Pró-Reitor João Alexandre Barbosa, qual seja a de criar um canal contínuo para a reunião da produção ligada às artes por parte dos estudantes dos mais diferentes perfis de formação. Temos tido sucesso nessa já longa trajetória, com a constatação da manutenção de muita qualidade e disposição por parte dos inscritos e participantes da íntegra das edições até agora.
Convidamos todos a participar da próxima edição do evento, na aventura de construção e expressão proposta por todas as áreas que integram o projeto, numa grande festa para os sentidos.

                                                           claudio mubarac
Coordenador Acadêmico do Nascente USP

O Projeto Nascente I (1991) teve a participação de diversos artistas consagrados em sua primeira Festa de Premiação, com destaque para Chico Buarque, que entregou o prêmio para Marco Tsuyama Cardoso e Mario Lima Neto, primeiros vencedores em Música Popular do concurso.
Na imagem a seção Ilustrada do Jornal Folha de São Paulo de 28 de agosto de 1991

Conheça a história do concurso artístico da USP


“Creio que não seria exagero dizer que, mais do que um projeto cultural, o Nascente foi a realização de um sonho: fazer com que a Universidade pudesse tornar visível aquilo que, em sete áreas artísticas, fazem os seus estudantes.
Um sonho bonito que se opõe às imagens de pesadelo com que a Universidade, no Brasil de hoje, tem que se haver em seus momentos de vigília. Pesadelos que se traduzem pela inércia, o descaso, a entrega à rotina paralisante, o pessimismo, a descrença. Contra tudo isso, sonhou – se o Projeto Nascente.
Uma demonstração inequívoca de vitalidade, de criatividade, de que a Universidade é mais do que dizem as vozes da burocracia que não acreditam na cultura porque somente entoam a mesmice e o conformismo. Esta exposição, organizada pelo MAC, começa a tornar público os resultados obtidos e mais real aquilo que, sonhado pelos artistas, fez parte do sonho do Nascente.”

João Alexandre Barbosa
Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária (1990-93) e criador do Nascente USP

Em 1993 o caderno Ilustrada do Jornal Folha de São Paulo deu destaque aos novos talentos das artes plásticas que foram revelados pelo então Projeto Nascente, artistas estes que estreavam a Visualidade Nascente II no Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC USP) entre 16 de fevereiro e 27 de março de 1993. Abaixo, o jornal destaca como uma “grande promessa das artes plásticas” o artista José Rufino, vencedor em Artes Plásticas da primeira edição do concurso e que expôs em Marselha e foi elogiado pelo diretor da Staatliche Kunsthalle de Berlim, além de ter participado de um workshop em Barcelona.

Uma história de revelação de muitos talentos uspianos


Foi pensando em incentivar o fazer artístico entre seus alunos que a Universidade de São Paulo desenvolveu o Programa Nascente. Ele é uma iniciativa da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária e destina-se a revelar novos talentos artísticos por meio de um concurso aberto aos alunos de graduação e de pós-graduação da USP, incluindo os estudantes da Escola de Arte Dramática da ECA.

1795384_617799891645473_5251242123250803313_o

Criado em 1990, o Programa Nascente tem o intuito de mapear e estimular a produção cultural dos alunos da USP, premiando o fazer artístico no âmbito da graduação e da pós-graduação. Foi idealizado na gestão do professor João Alexandre Barbosa, com inspiração da professora Ana Mae Barbosa, então diretora do Museu de Arte Contemporânea (MAC) da USP.

 

 

o criador do Nascente USP, Professor João Alexandre Barbosa

“Mas eu tinha que criar projetos novos, e eu criei aquele que até hoje é a minha menina dos olhos, o Projeto Nascente, que nasceu de um desafio que um estudante fez numa reunião do Conselho de Cultura e Extensão. Ele me disse que a Universidade nunca havia ajudado os alunos que tivessem algum dom artístico, ao que respondi que ele tinha razão, e que nós íamos mudar isso.”

João Alexandre  Barbosa
Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária (1990-93) e criador do Nascente USP

Nascente dá visibilidade real

Em abril de 2011, a jornalista Patrícia Ogando, do Jornal do Campus, realizou uma matéria sobre a visibilidade e promoção que o concurso artístico da USP  proporciona e entrevistou artistas hoje consagrados. 
Transcrevemos abaixo: 

Um ganhou o Prêmio Jabuti de Romance e Livro do Ano, o outro já atuou em filmes como “Meu nome não é Johnny” e “Carandiru”. Eles são José Roberto Torero e Luís Miranda, ex-alunos da USP e vencedores das primeiras edições do Programa Nascente da Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP (PRCEU). Criado com o objetivo de identificar e estimular alunos que se destacam no fazer artístico, o programa Nascente está com as inscrições abertas para a 19ª edição até dia 20 de abril.

José Roberto Torero foto: Grupo Cia das Letras

 

 

Esses nomes exemplificam o sucesso relativo do programa. Torero, que estudou Jornalismo e Letras na USP, venceu a segunda edição do Nascente com o esboço de Galantes Memórias e Admiráveis Aventuras do Virtuoso Conselheiro Gomes, o Chalaça, livro que ganharia em 1995 o mais importante prêmio de Literatura do país, o Jabuti. Já Luís Miranda era da Escola de Arte Dramática da ECA e venceu a primeira edição, em 1990, com o espetáculo de dança Eguns. Na época, Luís ganhou o equivalente a cinco mil dólares.

Luís Miranda (foto: Divulgação)
Luís Miranda foto: web

 

 

 

Para o ator, o prêmio foi imprescindível em termos econômicos e o ajudou a ganhar projeção. “Imagina: ‘cruspiano’, vindo de Salvador, duro que nem um cão. Esse dinheiro veio a calhar. Foi um prêmio que me deu certa visibilidade. Um ator que dança, que ganhou um prêmio de coreografia. Isso foi muito bacana”, diz.


O Nascente USP , por meio de sua premiação anual, procura reconhecer atores, poetas, músicos, pintores, diretores, escritores, compositores, designers, escultores ou cineastas de grande qualidade no universo de jovens que diariamente circulam pelos vários institutos e faculdades da Universidade.

644468_441278825964248_589477548_n
Na edição de 2013 a produção do Nascente USP espalhou carteirinhas gigantes de estudantes por todos os Campi a fim de aumentar o alcance do concurso entre os alunos. O sucesso foi tão grande que obtivemos a marca de 547 trabalhos inscritos, a 5ª maior marca em 28 anos de história.

 


Em 2003, foi constituída Comissão Acadêmica para aperfeiçoar as diretrizes que norteiam o projeto, além de acompanhar a sua aplicação. Sob a coordenação da professora Maria Cecília França Lourenço, a Comissão é integrada pelos diretores dos órgãos da PRCEU. Desde então, as áreas premiadas são artes cênicas, artes visuais, audiovisual, design, música erudita, música popular e texto. Além disso, a partir de 2006, um dos vencedores era escolhido para desenvolver a sua arte com um tutor – professor especialista da área.

Em 2016, sob a então coordenação acadêmica da professora da ECA Lucilene Cury, a Comissão Acadêmica decidiu pela ampliação das apresentações dos vencedores também pelos campi do interior, sempre que possível.

Mostra de Música Erudita Nascente 2017          créditos: Mayara Barbosa

Em 2018 o Concurso passou por uma reformulação de identidade tendo seu nome mudado para Nascente USP, o que sugere uma conexão mais direta com seu público.  O novo coordenador acadêmico do Nascente USP é o artista plástico e professor do Departamento de Artes Plásticas da ECA,  Cláudio Mubarac.

Assim, o Nascente continua e aprofunda sua atuação, com o objetivo de aproximar a comunidade universitária do fazer artístico de qualidade, estimulando a reflexão sobre a arte e a cultura como valores inexoráveis na formação do indivíduo, da sociedade e da humanidade.


Obrigado Pela Oportunidade de Lembrar de Alguém Tão Cativante – Juca Kfouri

É claro que eu já sabia bem quem era João Alexandre Barbosa.
Não só pela sua obra como, também, de tanto ouvir Walnice Nogueira Galvão falar nele.
Bem, muito bem, é óbvio.
Quem nos aproximou foi Aloísio Falcão, outra excelente figura. Eu tinha acabado de assumir o pomposo posto de diretor editorial das revistas masculinas da Editora Abril e tinha umas ideias malucas sobre a revista Superinteressante que estava sob o mesmo chapéu.

E pedi uma conversa com o professor, na Edusp.

Inesquecível conversa.

Ele e seu inseparável cachimbo me ouviram com a devida atenção.
Mas o que eu ouviria dele era muito mais interessante que a minha preocupação com a Super.

João Alexandre tinha um projeto e buscava quem o respaldasse.
Ninguém melhor que a Abril para tanto, supunha.

Com razão, para variar.

o jornalista Juca Kfouri foto: web

O projeto tinha nome e nem precisava de sobrenome: Nascente.

“Cadê o seu talento?”, perguntava o projeto aos alunos da USP, na busca de vocações artísticas, literárias, enfim, na procura de revelar talentos estivessem onde estivessem.

Quem poderia garantir que não existia um grande cantor de ópera na Faculdade de Física, por exemplo?

Ou um refinado escritor na Engenharia?

Quem sabe até um violinista na Faculdade de Educação Física e Esportes.

Ele descrevia o projeto e seus olhos brilhavam como os de uma criança diante de um caleidoscópio.

Aquilo me comoveu.

Voltei para a Abril certo de que não poderia falhar na empreitada de convencer meus chefes de que aquele era um projeto que tinha tudo a ver com a editora, uma magnífica maneira de criar um vínculo criativo com o maior centro de excelência do país.

E a ideia de João Alexandre era tão boa que nem precisei gastar muito de meu inexistente poder de venda.

Muito embora a única condição que ele tinha imposto fosse, com toda razão, que não poderia haver nenhuma ingerência direta da Abril na organização e nos critérios de avaliação do Nascente, a editora topou bancá-la simplesmente com a menção de seu nome associado ao projeto.

E nasceu o Nascente, em 1990, para virar a menina dos olhos do professor.

Quando alguém me pergunta das coisas que me orgulho de ter participado, o Projeto Nascente tem um lugar especial.

Menos, admito, pelo projeto em si que, sejamos razoáveis, era todo de João Alexandre.
Mais por ter podido, durante quase cinco anos, ver de perto o brilho dos olhos de menino do velho, e querido, e saudoso, professor.


Agora que você já conheceu um pouco da história do Nascente USP, navegue pelas edições dos nossos catálogos. 

 

 


ÚLTIMA EDIÇÃO

____________________________

2017 – 2011
____________________________

            

       

2010 – 2001
____________________________

             

            

2000 – 1991
____________________________