MÚSICA ERUDITA

Na categoria Música Erudita contemplam-se as seguintes subcategorias:

Composição, Intérprete Vocal ou Instrumental.

A música clássica, se considerada como representação do repertório de concerto constituído entre 1750 a 1850 na Europa, é de difícil definição. Muitas das características antes associadas a uma diferenciação da chamada música “séria” da música popular são hoje obsoletas. Se durante séculos considerou-se a música clássica como representante de uma cultura letrada e herdeira de uma tradição de saberes conceituais, hoje podemos considerar que muito do repertório  chamado “popular” possui estas mesmas características.

Estendendo esta linha temporal do barroco até os dias atuais, notaremos  ser ainda mais difícil uma definição, um termo que possa exprimir um arcabouço cultural e intelectual tão diverso sem incorrer em imprecisões e generalizações.

Portanto, não há uma caracterização da música clássica que não possa ser, de alguma forma, contestada ou questionada, porém pode-se defini-la, a grosso modo, como aquela fruto do conhecimento erudito, não tendo suas origens nas práticas populares e folclóricas, apesar de, muitas vezes, fazer-lhes referência.

Em todas suas participações do concurso, a categoria Música Erudita recebeu 148  inscrições, premiou aproximadamente 35 vencedores e conferiu 50 menções honrosas.

Classificados, os finalistas ganham visibilidade ao apresentar suas obras em Mostras Musicais nos palcos da USP e fora dela.
Já sediaram nosso Festival espaços como o Anfiteatro Camargo Guarnieri, Sesc Pinheiros, Auditório da Biblioteca Brasiliana, o Teatro da Faculdade de Medicina, Auditório Olivier Toni, dentre outros.

O transcurso de suas carreiras ganha brilho e projeção após passarem pelo nosso palco: é fato, o Nascente abre portas e oferece visibilidade para aqueles que se destacam no concurso. 
As histórias de sucesso são muitas e podemos apresentar algumas: 

Joyce Tripiciano – soprano que venceu o Nascente USP em 2010 e que hoje se apresenta em espaços consagrados da música erudita como Züblin- Haus em Sttutgart, Staatsheater Darmstadt em Darmstadt, no Theater Baden- Baden  -Württemberg, na Alemanha.

A cerimônia de premiação Nascente USP 2018 aconteceu em novembro, dia 30, no Auditório István Jancsón, no campus da USP capital. O concurso premia apenas os primeiros colocados em cada categoria. O valor do prêmio é de R$ 4 mil, sendo dividido entre os trabalhos ganhadores.

Em 2018 o trabalho da subcategoria interpretação instrumental de Leandro Isaac Motta, aluno da Escola de Comunicações e Artes – ECA, foi o único vencedor da categoria Música Erudita| 26º Nascente USP. Além do premiado houve duas menções honrosas – José Pereira de Mattos Neto e Gabriel Duarte da Silva – pelo destaque das produções artísticas.

Em 2018 o concurso recebeu 17 inscrições na categoria Música Erudita, numa segunda etapa, foram finalistas  9 produções artísticas, das quais a comissão julgadora composta por três jurados, todos especialistas na área, escolheu a interpretação musical da obra Ronaldo Miranda, 70 anos de música: Prólogo discurso e reflexão como a ganhadora, após analisar todas as subcategorias de Música Erudita.  

Trabalho Premiado

O trabalho vencedor Ronaldo Miranda, 70 anos de música: Prólogo discurso e reflexão, do estudante da Escola de Comunicações e Artes (ECA) Leandro Isaac Motta, trata-se da interpretação ao piano da obra Prólogo Discurso e Reflexão do compositor brasileiro Ronaldo Miranda.

Confira os finalistas e premiados da categoria Música Erudita da edição 2018 do Nascente USP