Exposição “Cerâmica Indígena do Brasil: preservando histórias e tradições”

A Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin apresenta, de 7 de novembro a 20 de dezembro, sua nova exposição Cerâmica Indígena do Brasil: preservando histórias e tradições.

A mostra apresenta a cerâmica dos índios Paiter Suruí de Rondônia e Asurini do Xingu. Nas culturas indígenas que trabalham com cerâmica, este tipo de arte vai além da dimensão material e se insere em um universo maior, que inclui as relações sociais, a relação com a natureza e com a sobrenatureza. Tanto a arte quanto as práticas tecnológicas estão interligadas a essas outras dimensões.

As peças representam um saber e, no caso dos Suruí, envolve um ritual em sua produção. As técnicas, comportamentos, atitudes, gestos e emoções, que envolvem essa prática artística também são relevantes. A produção ocorre somente durante o período da seca, isto é, nos meses de junho, julho e agosto. As condições climáticas desse período facilitam a obtenção de matérias primas, como a argila extraída do fundo do igarapé, as sementes para alisar as peças e a madeira para queimar. A partir de 2010, houve por parte de pesquisadores, galeristas, museus e espaços culturais o interesse de promover, de maneira mais qualificada e em colaboração com os índios, a valorização da arte cerâmica Suruí no meio urbano. Os índios Suruí conseguiram espaço e oportunidade para participar de uma série de eventos, todos relativos à sua arte mais relevante e diferenciada, a cerâmica.

A arte cerâmica do povo Asurini do Xingu e Paiter apresentada nesta exposição é extremamente diversificada, no que se refere tanto à tecnologia como ao estilo, às formas produzidas, à decoração e às implicações sociais e cosmológicas, indissociáveis desta atividade.

As sociedades amazônicas que produzem cerâmica possuem regras a serem obedecidas na sua fabricação. Apesar das mudanças, adaptações e inovações, as ceramistas indígenas atribuem à atividade cerâmica uma posição privilegiada nas suas respectivas culturas, sendo considerada, em alguns casos, como um elemento definidor de identidade própria e frente a outras etnias indígenas ou aos não -índios. A cerâmica para esses povos tem uma íntima relação com o meio ambiente de onde provém as matérias primas para sua confecção e muitos dos padrões para sua ornamentação.

Por Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin

Exposição Cerâmica Indígena do Brasil: preservando histórias e tradições