Objetos históricos, imagens raras e documentário revisitam a Batalha da Maria Antônia em exposição

Após 50 anos, evento será apresentado em mostra no próprio edifício histórico da USP que foi palco dos acontecimentos

O Centro Universitário Maria Antonia da USP (CEUMA) abre, no dia 9 de agosto, sua nova exposição 1968 Vou Ver, que resgata com diferentes elementos a memória dos episódios ocorridos no local em 1968, que ficaram conhecidos como a Batalha da Maria Antônia. Os confrontos, que completam 50 anos em 2018, foram protagonizados por alunos da USP e do Mackenzie e por policiais militares, tendo resultado na morte de um estudante secundarista e deixado dezenas de feridos. Menos de dois meses depois, o governo militar utilizou o fato como um dos pretextos para o endurecimento do regime, promulgando o Ato Institucional número 5.

Na exposição, o histórico prédio da Rua Maria Antônia é o protagonista. São apresentados ao público 23 imagens emblemáticas e coloridas do conflito, com o relato do fotógrafo Hiroto Yoshioka, então estudante de arquitetura da USP. Também integram a mostra o documentário A Batalha da Maria Antônia, do diretor Renato Tapajós; registros fotográficos de capas de jornais; mobiliário da época e fax símile de documentos como o processo de tombamento do prédio pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (CONDEPHAAT).

A diretora do CEUMA e professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Myrna de Arruda Nascimento, ressalta que “essa mostra é a primeira etapa do projeto RE VOU VER, que pretende disponibilizar ao público o acervo histórico do Centro Universitário Maria Antônia da USP em diversas outras ações”.

Já o professor José Nicolau Gregorin Filho, da  Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas e vice-diretor, comenta que “a proposta é resgatar um fato que marcou a história do Centro Universitário Maria Antônia, assumindo o contínuo processo de diálogo com a sociedade que caracteriza este espaço, em tempos diferentes, na forma de movimentos que revolvem a memória.” Há 10 anos outra versão de 1968 Vou Ver foi apresentada no local rememorando os 40 anos do episódio.

O Centro Universitário Maria Antonia da USP

Construído na década de 1930, o prédio do Centro Universitário Maria Antonia, além do evento retratado na exposição, é um dos mais emblemáticos espaços da Universidade de São Paulo, tendo abrigado a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, onde estudaram e lecionaram figuras de destaque no cenário nacional como  Alfredo Bosi, Antonio Candido, Aziz Ab’Saber, Décio de Almeida Prado, Fernando Henrique Cardoso, e Florestan Fernandes. O episódio da Batalha da Maria Antonia acabou resultando na ocupação do local por forças policiais e a mudança definitiva da faculdade para o campus da Cidade Universitária, somente voltando a ser reaberto ao público como espaço cultural da USP em 1993. Hoje ligado à Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária, o local sedia as mais variadas atividades como cursos, palestras, exposições e sessões de cinema.

Confira vídeo produzido pelo Instituto de Estudos Brasileiros da USP (IEB) com Antonio Candido sobre o local: www.ieb.usp.br/antonio-candido.

Serviço

Exposição “1968 Vou Ver”
Onde | Centro Universitário Maria Antonia | Rua Maria Antônia, 294 – 1º andar
Quando | 10 de agosto de 2017 a 25 de janeiro de 2018
Visitação | Terça à sexta-feira, das 10h às 18h (exibição do documentário às 10h e às 15h)
Quanto | Gratuito

Por Comunicação Institucional - PRCEU

1968 Vou Ver
  • Centro Universitário Maria Antonia
    • Terça, Quarta, Quinta e Sexta
    • Das 10:00 às 18:00
    • Rua Maria Antonia, 294
    • São Paulo - SP - SP
    • tel: (11) 3123-5200