Nova montagem teatral bate recorde de inscritos em São Paulo

As próximas montagens teatrais que serão realizadas pelo Núcleo TUSP da capital receberam a inscrição de 440 atores da capital e do interior de São Paulo, além de Alagoas, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Sergipe. Vinte foram selecionados pelo Teatro da USP

Por Elcio Silva
9/03/2017 8h40

Iniciado em 2015 na capital paulista, o Núcleo TUSP de Teatro, seleciona anualmente atores de diversas localidades para um experimento de montagem cênica ao longo do período de um ano. Em 2017, a terceira edição do projeto recebeu sete vezes mais inscritos que a primeira edição, na ocasião 70 inscrições, e três vezes a mais do que a segunda, com quase 150 inscritos em 2016.

Diferente de um curso convencional, a iniciativa não tem a pretensão de ensinar ao ator a prática de cena e muito menos ser um corpo teatral estável de caráter profissional, mas sim estreitar os laços com a comunidade cumprindo uma função de extensão universitária e de pertencimento do espaço público.

Nova montagem teatral bate recorde de inscritos em São Paulo.

Cena da peça Outro K, baseada no texto O Processo de Franz Kafka. A primeira montagem do Núcleo TUSP foi apresentada em 2015 e 2016. Foto Elcio Silva.

Esse ano a divulgação das inscrições foi ampliada para atender ao maior número de interessados de diversas localidades e formações. Dos 440  interessados, o TUSP recebeu inscrições de atores de Minas Gerais, Sergipe, Rio de Janeiro, Alagoas, do interior de São Paulo e da capital paulista.

Em São Paulo atores com formação no Departamento de Artes Cênicas da ECA-USP – CAC, na Escola de Arte Dramática da USP – EAD, na UNICAMP, na UNESP, na Faculdade Paulista de Artes – FPA, no Centro de Artes e Educação Célia Helena (Técnico e superior), no INDAC – Escola de Atores, no Teatro Escola Macunaíma, na Escola de Teatro Globe SP, no Centro de Pesquisa Teatro do Sesc SP – CPT e na Escola Livre de Teatro de Santo André – ELT participaram do processo.

De outros Estados o TUSP recebeu inscrições de artistas oriundos da Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP – MG, da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, da Universidade Estadual de Londrina – UEL – PR e da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, além de outros cursos técnicos de diferentes localidades.

A Montagem

Shakespeare foi o dramaturgo escolhido para as montagens dessa edição, ano de celebração e homenagens pelos  400 anos de sua morte.  

Para o coordenador da iniciativa e orientador de arte dramática do TUSP, René Piazentin, o aumento da procura se dá por uma soma de fatores.

“O fato de já ter acontecido três experimentos cênicos, um em 2015 e dois ano passado, faz com que você tenha uma ação que já herda alguma realizações e sinto que também houve uma divulgação maior esse ano, tivemos mais espaço nas mídias da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP e em outras mídias digitais, isso é sempre um fator importante. Ano passado tínhamos 15 pessoas envolvidas e isso também cria uma divulgação para as pessoas próximas que acabam sabendo da existência do núcleo, pessoas da área, mas que são conhecidos dos participantes do núcleo”, ressalta Piazentin.

Nova montagem teatral bate recorde de inscritos em São Paulo.

Cena da peça Mahagonny, de Bertolt Brecht, apresentada no TUSP em 2016. Foto Yuri Felipe Lace.

O coordenador da ação informa ainda que a escolha do dramaturgo para a montagem também foi um fator determinante.

“No contexto de 2017 o fato de ser Shakespeare [a montagem] também desperta o interesse das pessoas, vimos isso nas cartas de interesse. Muitos manifestaram o desejo de trabalhar com esse autor, que não conseguiram ao longo da formação, e, para alguns que já estão numa carreira profissional, ainda não surgiu uma oportunidade, então esse ano nós lidamos com essa somatória de fatores”, completa.

Extensão Universitária

O professor Ferdinando Martins, diretor do Teatro da USP, destaca o papel que o Núcleo TUSP representa para a extensão universitária da USP.

“O núcleo absorve uma demanda grande da sociedade e a USP tem plenas condições de devolver e dar uma resposta, nós só ficamos assustados com a quantidade cada vez maior de inscrições. Somando o Núcleo TUSP e o NAC (outro núcleo de artes cênicas que trabalha em parceria com o TUSP) nós tivemos mais de 1000 inscrições. Existe de fato uma demanda e uma carência para atividades de formação artística na cidade de São Paulo e ficamos muito contentes em dar uma resposta”, relata Martins.

O diretor salienta a prática teatral e a possibilidade de uma montagem como um diferencial do Núcleo.

Nova montagem teatral bate recorde de inscritos em São Paulo.

Cena da peça O Pequeno Eyolf, de Henrik Ibsen, apresentada no Teatro da USP em 2016. Foto Beto Macedo.

“O que eles recebem [os participantes do núcleo] é uma formação de qualidade, com o selo USP, mas participando de um processo artístico, o resultado final é uma montagem teatral. Não é um curso que vai transmitir o conhecimento e ficar encerrado nisso. Há uma transmissão de conhecimento, mas há também uma prática, ou seja, há uma formação que faz com que esse participante possa carregar o que está aprendendo muito mais do que se fosse somente um curso. Ele vai entrar em cartaz, vai fazer parte de um repertório, vai exercitar outras atividades relacionadas à prática artística como  por exemplo a produção, a divulgação”, informa.

Martins fala sobre o caráter de inserção no circuito teatral que a ação promove.

“Eles [os participantes] entram nos guias de programação da cidade de São Paulo como uma atividade reconhecida, o que faz com que seja além de um curso. Apesar de ser uma atividade de formação e portanto de extensão na área de cultura, ela é mais do que isso, pois promove uma inserção real desse aluno no campo teatral da cidade de São Paulo”.

A Seleção

A previsão inicial era selecionar dez atores para o Núcleo TUSP nessa edição, mas devido ao número de inscritos, vinte atores foram chamados, com cinco suplentes, e duas turmas farão montagens em 2017. Uma será formada por novos atores e a outra será mesclada com dez atores que também participaram da edição de 2016. A relação de selecionados pode ser conferida no site: https://www.usp.br/tusp/?p=4239.

O período previsto para as apresentações do resultado do processo de montagem é novembro e dezembro de 2017.

A programação

Além do Núcleo TUSP, o Teatro da USP desenvolve outras atividades de extensão universitária. As leituras públicas ocorrem gratuitamente às segundas-feiras na capital e também são desenvolvidas em outros campi no interior do estado: Bauru, Piracicaba, Ribeirão Preto e São Carlos. A ação promove a leitura de textos de importantes dramaturgos e o público participa ativamente em uma estrutura que projeta minimamente uma ambientação da peça escolhida. Há também uma parceria com o Núcleo de Artes Cênicas – NAC que oferece um curso de atuação anual, que inicialmente foi realizado na Fiesp e atualmente é abrigado no TUSP.

Ferdinando Martins ressalta que o TUSP sempre tenta equilibrar a programação com a participação de alunos.

“A maior parte de nossa programação é gratuita e sempre tentamos equilibrar com a participação de alunos, reforçando a marca da gestão do pró-reitor de cultura e extensão, Marcelo Roméro, que é aumentar o número de alunos participando das atividades. Conseguimos bastante, mas também buscamos atender o público externo à USP por meio de atividades de extensão”.

Em 2016 o TUSP trabalhou com 469 alunos e 45 professores em sua programação. Para 2017 a programação está planejada com várias atividades envolvendo estudantes. O calendário também reserva algumas datas para as apresentações do Programa Nascente e o espaço dos alunos também está garantido na programação da 3º Bienal Internacional de Teatro da USP, que ocorre no último trimestre do ano. Dois grupos serão convidados também para compor a programação. O TUSP optou por não realizar edital público de ocupação do espaço em ano que ocorre a bienal de teatro.

Por Comunicação Institucional - PRCEU

Núcleo TUSP de Teatro - capital