• A+
  • A-
Fechar
Exposição da USP apresenta arte produzida  por presos políticos na ditadura

Exposição da USP apresenta arte produzida por presos políticos na ditadura

Comunicação - PRCEU - 06/04/2023

Em comemoração aos seus 30 anos, o Centro MariAntonia traz a mostra Imagem-Testemunho: experiências artísticas de presos políticos na ditadura civil-militar com trabalhos artísticos de presos políticos na ditadura brasileira que durou 21 anos

Por Sandra Lima / Arte: Felipe Althman

O Centro MariAntonia da USP inaugura, no dia 27 de abril, às 19 horas, a exposição Imagem-Testemunho: experiências artísticas de presos políticos na ditadura civil-militar. Realizada em parceria com o Memorial da Resistência, a mostra inclui desenhos, pinturas, colagens e gravuras realizadas por 12 presos políticos durante os anos 70 em presídios de São Paulo. Estas imagens-testemunhos, reunidas durante anos pelos ex-presos políticos Alípio Freire e Rita Sipahi, integram, desde 2023, o acervo do Memorial da Resistência  de São Paulo, que conta atualmente com mais de 300 obras. A entrada é gratuita e a visitação segue de terça a domingo, e feriados, das 10 às 18 horas.

Completando 30 anos em 27 de maio de 1993, e tendo como vocação a resistência democrática, a defesa dos direitos humanos e a memória política, o MariAntonia soma a mostra às suas comemorações, ao reunir um conjunto expressivo de obras que falam do cotidiano na prisão, da violência de Estado, das lutas, sentimentos e posições dos presos políticos. O diretor do Centro MariAntonia, José Lira, salienta que em um momento no qual a democracia vê-se novamente ameaçada “é imprescindível retornarmos ao testemunho dos que ousaram se levantar contra a tirania. Pois sua voz, seu olhar, suas mãos, seus corpos, muitas vezes fustigados pelo aparato repressivo do regime, guardam tesouros da memória e da imaginação sociais”. 

Com curadoria da pesquisadora e crítica de arte, Priscila Arantes, a mostra traz produções criadas em diferentes presídios da cidade de São Paulo – Tiradentes, Carandiru, Penitenciária Feminina, Hipódromo, Presídio Militar Romão Gomes (Barro Branco) – e algumas vezes dentro do próprio Departamento de Ordem Política e Social (DOPS). Arantes explica que “esses registros são construídos durante uma experiência de violência política e a resistência no espaço prisional, pontuando o valor desta produção enquanto testemunho e fonte histórica dos duros anos de ditadura no país”.

Os 41 trabalhos, elaborados com materiais encontrados dentro do espaço prisional ou trazidos por parentes e amigos para seu interior, constituem um conjunto de experiências de presos de diferentes organizações políticas, alguns deles artistas antes de serem presos, outros que só tiveram esta experiência durante o período de confinamento. Além do conjunto de obras artísticas, a exposição inclui 16 outros documentos, 7 depoimentos em vídeos especialmente produzidos para a mostra e um conjunto de atividades culturais e educativas a ela relacionadas.

Integrantes da mostra

Aldo Arantes / Alípio Freire / Ângela Rocha / Artur Scavone / Carlos Takaoka / José Wilson / Manoel Cyrillo / Regis Andrade / Sérgio Ferro / Sérgio Sister / Rita Sipahi / Yoshiya Takaoka

Depoimentos

De Aldo Arantes, Ângela Rocha, Artur Scavone, Manoel Cyrillo, Rita Sipahi, Sérgio Ferro, Sérgio Sister, que integram o acervo do Núcleo do Museu da Pessoa MariAntonia.

 

Quem é a curadora

Priscila Arantes é crítica, curadora, professora e pesquisadora no campo da arte, curadoria, museu e estética contemporânea. Formada em filosofia pela Universidade de São Paulo (USP), com mestrado e doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e pós-doutorado pela Penn State University (EUA) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Atualmente é vice-diretora da Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes da PUC-SP e pesquisadora-colaboradora do Museu de Arte Contemporânea (MAC) da USP. Foi diretora e curadora do Paço das Artes de 2007 a 2020. Entre 2007 e 2011 foi diretora adjunta do Museu da Imagem e Som (MIS) atuando na curadoria de programação. Integra o conselho editorial de diversas publicações científicas e é vice-presidente da Associação Brasileira dos Críticos de Arte (ABCA) desde 2022 e membro da Associação Nacional de Artes Plásticas (ANPAP). Entre os prêmios recebidos destacam-se o da Society of Latin American Studies para integrar a Conferência em Liverpool (Londres/2016), da Fundación Cisneros/Getty Foundation/ (2016), da Getty Foundation ( 2012) e finalista do 48º Prêmio Jabuti pelo livro Arte@Mídia:perspectivas da estética digital (Fapesp/Senac). É autora de diversos livros e curadora de mostras em Portugal e em diversas instituições culturais no país.

Exposição da USP apresenta arte produzida por presos políticos na ditadura
    
Não há Comentários :(
 
Atenção! Não escreva dúvidas ou perguntas. Utilize o canal específico Fale Conosco.